Google

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Elvis is Back | Elvis Presley (1960)



Após dois anos servindo o Exército, o Sargento Presley estava de volta. A RCA estava desesperada por um novo disco de Elvis e os executivos da gravadora estavam receosos de que ele não desse mais conta do recado depois do tempo que passou de farda.

Os resultados das sessões de gravação superaram - e muito - as expectativas. Elvis e sua banda foram muito além do rock'n'roll dos anos 50, misturando doo-wop, blues e até um pouquinho de jazz. Os resultados foram um novo tipo de som, com uma seleção variada de canções, mais voltada à música pop.

Tudo isso culminou em Elvis Is Back, disco que marcou toda uma década e que o próprio Elvis dizia ser um de seus favoritos.

O livro diz que:
... naquela noite, o Memphis Flash veio à tona, tão excitante e excitado como na época de suas primeiras sessões de gravação na Sun. Quanto mais tocavam, mais soltos e selvagens ficavam. Gravaram pop ("The Girl Of My Best Friend"), tangenciaram a ópera ("It's Now Or Never"), tocaram fogo ("Fever" e "Are You Lonesome Tonight") e, por fim, liberaram a luxúria ("Such A Night", "Like a Baby" e "Reconsider Baby"). Doze faixas foram incluídas neste álbum. As outras músicas gravadas nessas sessões foram lançadas com grande êxito como singles. Nove anos se passariam até Elvis conseguir tamanha liberdade novamente.




Concluindo
Este disco não poderia ter um nome melhor. Elvis está de volta, e voltou com tudo. Não é um álbum onde estão seus hits mais manjados, mas todas as músicas são boas. Sim, eu disse todas

Elvis coloca pimenta em algumas das 12 faixas do disco. Difícil resistir ao apelo de "It Feels So Right" ("Step in these arms, where you belong/ It feels so right, so right/ How can it be wrong?"), um ótimo blues, aliás. Embora o álbum tenha canções pop, pra mim é nas "apimentadas" que Presley se destaca. "Reconsider Baby" é simplesmente irresistível, é pura luxúria, como o livro diz. Há ainda uma versão de "Fever", um jazz que encaixa perfeitamente na voz de Elvis, exalando sensualidade, muito mais que na conhecida versão de Peggy Lee.




Elvis Is Back definitivamente deve ter mexido muito com o imaginário feminino da época...



Faltam 488 dias.
Faltam 976 discos.

Um comentário: